O “Chumbo” de Eduardo Vítor Rodrigues

August 26, 2021

O atual Presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, não passou no exame da Presidência da República.

Na sequência do “chumbo” pelo Senhor Presidente da República do Decreto da Assembleia da República n.º 176/XIV, sobre a “Alteração às regras de enquadramento do Programa de Apoio à Economia Local (PAEL)aprovado pelo PS e PCP à última hora desta sessão legislativa, instalou-se, uma nova  variante deste elemento químico da Tabela Periódica, Pb, pesado e tóxico, sob a forma de silêncio. O silêncio do atual Presidente de Câmara e sua oposição.

Vejamos o que refere a nota do Presidente da República,

“Do diploma decorre, em termos de facto, a eventual não aplicação de sanções a um número preciso e limitado de autarquias locais, relativas ao PAEL.

“O mesmo diploma foi submetido a promulgação já depois da convocação das eleições para as autarquias locais e do início do prazo de apresentação de candidaturas.”

“Afigura-se de meridiano bom senso não suscitar, com ele, interferências eleitorais e mesmo danos reputacionais para autarquias e autarcas, assim salvaguardando a separação entre a legislação sobre gestão autárquica e o período eleitoral em curso.”

Recorde-se que segundo o Expresso de 30 de julho passado, “Há seis municípios com processos por violação das regras de equilíbrio financeiro. Gaia é o mais complicado”.

Julgo que em nome da transparência e do cabal esclarecimento dos gaienses é devida explicação detalhada sobre o impacto financeiro que este gesto, que desde já  saúdo  do Senhor Presidente da República terá nas finanças da Câmara e nos contribuintes de Gaia…

Orlando Monteiro da Silva

Candidato da Iniciativa Liberal à Câmara de Gaia


Realizar Gaia

August 26, 2021

O que tem levado a que este município de tão grande importância tenha ficado para trás?

Pensar globalmente, agir localmente.

Este conceito, usado em diversas áreas do conhecimento é aquele que esteve na génese da minha disponibilidade para ser candidato como independente à terceira autarquia mais populosa do país, um concelho com mais de 300 mil habitantes, que em todos os indicadores relevantes ocupa nos rankings posições que não se coadunam com o seu potencial.

Apesar de ao longo da vida ter tido uma intervenção social e mesmo política regular e consistente, não sou político.

Sou médico dentista e consultor, profissional liberal. Trabalhei sempre por conta própria, fui durante 20 anos bastonário da minha Ordem e ajudei a transformar a minha profissão a nível nacional e internacional. Toda a minha experiência e reconhecimento estarão ao serviço da candidatura, de Gaia e de Portugal.

Motiva-me como candidato identificar as “causas das causas” que têm levado ao atraso de Gaia num sem número de áreas, sociais e económicas e na qualidade de vida dos residentes.

O que tem levado a que este município de tão grande importância tenha ficado para trás?

A nossa campanha identificará as causas e proporá soluções concretas para as enfrentar com o apoio dos gaienses ou daqueles que escolheram Gaia para construir os seus projetos de vida, a quem dará voz.

Vamos encontrar, apesar de concorrermos pela primeira vez, terreno fértil, após mais um mandato baço e sem ambição de gestão socialista, cúmplice com a secundarização a que o concelho e suas gentes têm sido votados.

E também com o novelesco processo de candidatura da Aliança Democrática, que me escuso nesta fase de comentar, mas que para quem viveu e apoiou como eu as Alianças Democráticas de Sá Carneiro, só pode sentir um profundo desconforto pela fotocópia  ilegível desta  sua versão.

A Iniciativa Liberal irá, estou certo,  fazer a diferença. Pela positiva e com os Gaienses.

Orlando Monteiro da Silva

Candidato da Iniciativa Liberal à Câmara de Gaia